quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Enir - Um jogador "das antigas".

Ontem fui surpreendido com a morte de Enir Ghirelli, ou simplesmente Enir, que jogou no Santo André Futebol Clube no período entre 1968 a 1970. Enir nasceu em Santo André no dia 12 de agosto de 1945 e faleceu ontem, dia 9 de dezembro, vítima de câncer.

Enir foi um fundador do Esporte Clube Santo André, estava presente desde o primeiro jogo treino. O Santo André Futebol Clube nasceu de uma iniciativa da união dos clubes amadores de Santo André, que cederam o que tinham de melhor para a formação de um elenco profissional.

Primeiro treino do santo André FC
Esse primeiro jogo treino comandado por Manga, no estádio da Laminação marcou a primeira escalação do Santo André, que formou com Carioca, Zé Roberto, Baltazar, Azeitona e Alberto; Cuca e Enir; Fioti, Mauro, Dirceu e Rodolfo.

Enir jogou no Ouro Verde Popular desde os 13 anos. Lá atuou pelo infantil, juvenil e principal. Depois chegou ao Santo André por um convite "Eles chamaram o Manga, ex-goleiro do Santos. Senti firmeza e pensei, "vou"".

O meia ganhou espaço no time titular e disputou o primeiro jogo da história do clube. O jogo aconteceu no aniversário da cidade, no dia 08 de abril de 1968 e terminou com a vitória do Ramalhão pelo placar de 2 a 1. Esse jogo fez Enir entrar definitivamente na história do clube ao marcar o primeiro gol da história do Santo André Futebol Clube.

Pelé no jogo 1º jogo do Ramalhão
Então, após receber a bola do centroavante, Enir dominou a bola de pé direito, apesar de ser canhoto, cortou o volante adversário com um drible curto e ao invés de bater cruzado, como sempre fazia, chutou seco, em paralelo... o chute levantou cal das linha do gramado... era o primeiro gol da história do time Andreense e o time fazia um a zero no poderoso Santos. Pelé acompanhava tudo na arquibancada do Estádio Américo Guazelli, o mesmo palco do primeiro gol da sua carreira. Ao final do jogo o Rei do futebol declarava "Esse time tem futuro..."

Enir conta que nesse jogo o time do Santo André jogou de camisa branca, com listas vermelhas e verdes. No fim do jogo, um garoto lhe pediu a camisa e ele entregou... depois se deu conta que não havia outra. O time então passou a jogar de camisa amarela.

Contador de histórias, Enir foi uma pessoa extremamente divertida e sempre nos brindou com casos fantásticos sobre essa época. Na nossa pesquisa houve um jogo inacabado contra o Minister, de Santo Amaro. Perguntamos a ele o que aconteceu nessa partida, pois o árbitro terminou o jogo por falta de condições de segurança após expulsar quatro jogadores do Minister. A versão do Enir foi a seguinte:

Enir
- "Nós combinamos que iaos fazer o gol e depois íamos só bater. Aí acontece que teve um entevero na área deles, tinha um central que tinha batido muito no Nilo, que era nosso centroavante, ele pisou no joanete do Gaúcho. O Gaúcho ja tava "no veneno" e aí começou. Começou mais eles correram já... e se enfiaram pelo túnel do Corinthinha e não voltaram mais... abandonaram o campo.

-"Se o juiz tivesse que expulsar alguém seria o Gaucho, nosso quarto zagueiro. Ele saiu batendo em todo mundo. O Manga tentou segurar ele, ele "sentou" a mão no Manga, e os caras se enfiaram para dentro do vestiário e não retornaram, e o juiz acabou o jogo... foi abandono. O jogo tinha trinta minutos do primeiro tempo. Acho que o juiz pra não prejudicar o Santo André escreveu que expulsou quatro jogadores do time deles. Mas os caras não voltaram."

Jogo Inaugural Bruno Jose Daniel
Enir participou também do primeiro jogo da história do Estádio Bruno José Daniel no dia 14 de dezembro de 1969, quando o time encarou o Palmeiras, perdendo por quatro a zero. O Santo André Futebol Clube formou com Clóvis; Luisinho, Juba (Jandaia), Cite e Shell (Alberto); Moacir (Mário) e Enir, Roney, Sapito e Stefano (Marco Antonio). 

Para esse jogo, o time Andreense foi formado as pressas e contou quase na totalidade por jogadores amadores, o que acabou fazendo com que o Palmeiras facilmente chegasse a vitória. A construção do Estádio Municipal na época poderia fazer com que a equipe Andreense pudesse disputar a primeira divisão (segundo nível) do Estadual, pois um dos critérios de participação no campeonato era a capacidade do estádio.

Enir ainda em uma entrevista destacou o time Andreense na época do seu surgimento em uma entrevista em 2010, ouça!



Enir
Jogador técnico, meia de ligação, gostava de ter a bola nos pés e tinha o gol como seu objetivo. Para ele, o futebol era simples... um pouco de conversa regado a cerveja e ele nos deliciava com as histórias do Ramalhão. Enir participou também do primeiro amistoso internacional do caçula Andreense, como o time era chamado pelo News Seller (precursor do Diário do Grande ABC) na época. O Ramalhão enfrentou a seleção do Congo e venceu o jogo pelo placar mínimo (1 a 0).

Esse foi Enir Ghirelli... Se não foi um ídolo máximo do time Andreense foi um dos responsáveis pela formação desse time, que soube honrar durante todo o tempo que jogou aqui e está eternamente na lembrança do Santo André, por ser o autor do primeiro gol do Ramalhão.

Descanse em paz amigo... 

Marcelo Alves Bellotti

Nenhum comentário:

Postar um comentário